domingo, 27 de março de 2011

Pesquisa FPA: 63% nunca votariam em ateu; 12%, dificilmente

A Fundação Perseu Abramo divulgou em fevereiro a pesquisa Mulheres brasileiras e gênero nos espaços público e privado, realizada pelo seu Núcleo de Opinião Pública em parceria com o SESC. A pesquisa foi realizada em agosto de 2010 e ouviu a opinião de 2.365 mulheres e 1.181 homens, com mais de 15 anos de idade, de 25 unidades da federação, cobrindo as áreas urbanas e rurais de todas as macrorregiões do país. O
levantamento envolve a inclusão de 176 municípios na amostra feminina e 104 na masculina. A margem de erro da pesquisa é entre 2 e 4 pontos percentuais para mulheres e entre 3 e 4 pontos para os homens, e em ambos o intervalo de confiança é de 95%.

Os dados relevantes para nós são os seguintes:
Perfil religioso das amostras
Primeira coisa que faria para que a vida de todas as mulheres melhorasse

Primeira coisa que faria para que a vida de todas as mulheres melhorasse, por renda
Índices de rejeição
Índices de rejeição, por idade e escolaridade
Índices de rejeição, por religião - I
Índices de rejeição, por religião - II

Alguns dados relevantes da pesquisa:

  • 5% das mulheres era teísta sem religião, tanto em 2001 como 2010. Os homens só foram pesquisados em 2010, com 9%.
  •   Em 2001, não consta fração de ateias. Em 2010 eram 1%, tanto homens como mulheres.

  • Primeira coisa que as mulheres fariam para que a vida de todas as mulheres melhorasse - comparativo 2001/ 2010: "Ter mais fé em Deus/ fazer a vontade de Deus/ orar/ que todas fossem à Igreja" caiu de 2% para 1% (dentro da margem de erro)
  •   Rejeição a ateus:
Entre mulheres, 20% poderia votar; 11% dificilmente votaria; 66% nunca votaria; 3% não sabe/não respondeu.
Entre homens, 25% poderia votar; 13% dificilmente votaria; 61% nunca votaria; 1% não sabe/não respondeu.

  • O grupo com maior rejeição eleitoral (dificilmente ou nunca votaria) foi o de quem é a favor da legalização da maconha: 84% das mulheres e 77% dos homens. A seguir vieram ateus (77%M, 74%H), quem é a favor da legalização do aborto (73%M, 76%H), quem pratica umbanda ou candomblé (62%M, 60%H), quem é a favor da pena de morte (57%M, 50%H), quem participou da luta armada contra a ditadura (46%M, 39%H), quem é a favor da união civil de pessoas do mesmo sexo (43%M, 52%H), quem é homossexual - gay ou lésbica (33%M; 40%H), mulheres (6%M, 7%H) e negros (2%M, 5%H).
  • O índice de rejeição a ateus cresce com a idade: de 74% entre pessoas de 15 a 24 anos até 89% entre pessoas com mais de 60 anos. A rejeição a outros grupos segue o mesmo padrão.
  • O índice de rejeição a ateus cai com a instrução: de 87% a quem cursou até 4a série para 62% para quem tem curso superior ou mais. A rejeição a outros grupos segue o mesmo padrão.
  • Os grupos que menos rejeitam os demais são quase sempre espíritas e os sem religião (incluindo ateus): os negros são rejeitados por 5% dos espíritas e 0% dos sem religião; mulheres são rejeitadas por 8% dos espíritas e 0% dos sem religião; homossexuais são rejeitados por 8% dos espíritas e 18% dos sem religião; os que são a favor da união civil de pessoas do mesmo sexo são rejeitados por 22% dos espíritas e 24% dos sem religião; quem participou da luta armada é rejeitado por 36% dos espíritas e 38% dos sem religião; quem é a favorda pena de morte é rejeitado por 52% dos espíritas (empatados com católicos não praticantes) e 40% dos sem religião; quem pratica umbanda ou candomblé é rejeitado por 22% dos espíritas e 40% dos sem religião; ateus são rejeitados por 67% dos espíritas e 63% dos sem religião; quem é a favor da legalização da maconha é rejeitado por 63% dos espíritas e 66% dos sem religião.
  • A rejeição mais forte a ateus veio do grupo "outras religiões", com 88% (um número pouco confiável, já que corresponde a somente 4% da amostra), seguida dos evangélicos pentecostais, com 86%.

Esses dados confirmam a pesquisa realizada pela revista Veja em 2007:

Esse é mais um retrato do longo caminho que devemos percorrer para acabar com o preconceito. Ele não acabará sozinho: depende de nossa ação contínua. Faça sua parte, coletando e divulgando os casos de preconceito, enviando seus protestos e fazendo suas denúncias às autoridades.

7 comentários:

  1. Só recentemente os EUA elegeram um negro, e só o ano passado elegemos uma mulher, ambos para a presidência de seus respectivos países. Combater conceitos pré-definidos e desmistificar nossa condição como ateus é um trabalho contínuo ao longo de gerações. Mas acredito que em todas as frentes tem havido melhora na tolerância.
    Só me preocupa o crescimento dos evangélicos pentecostais, que foi constatada no último censo, pois esses tendem a ser os mais fanáticos e os menos tolerantes com qualquer coisa que divirja de sua doutrina.

    ResponderExcluir
  2. Concordo com o Franz, mas pelo menos no meu círculo social, metade se assumiu ateu depois de eu dizer que era e alguns se dizem sem religião. Ainda existem muitos ateus "dentro do armário"

    ResponderExcluir
  3. Caraca! Só maconheiro tem menos chances de ser votado do que um Ateu... Ateísmo deve ser considerado como droga pelos religiosos.. Realmente.. Vc fica viciado... Passa a ler mais, sobre ciência, outras culturas e o melhor: não fica achando que vc é o juiz da pessoal dos outros...

    ResponderExcluir
  4. É evidente que o ateísmo vem ganhando terreno nos últimos 100 anos. Os seres humanos em geral, devido ao grande acesso a cultura e com o advento da internet, vai perdendo o medo, e passa a se comunicar com mais ousadia em assuntos ateísticos, como foi o meu caso.Literalmente sai do armário,(para ser franco -dinamitei-o)e falo à vontade com qualquer um. Maravilhoso, não forço ninguém, ao contrário, minha esposa é evangélica e nunca a forcei ao ateísmo, mas vejo nela grande desgaste com referencia ao que ela acreditava na bíblia. Já critica abertamente se não em todo pelo menos em grande parte os conteúdos do livro sagrado.
    Sem duvida, com o tempo largara totalmente o dito libro. Questão de tempo.
    Sem duvida, as pessoas estão bem mais inteligentes, não vão mais na conversa dos outros em assuntos religiosos e também em outros temas. E isso esta acontecendo no mundo todo.
    Abraços ateísticos a todos.
    João Orlando - Rio de Janeiro, 23/06/2011 as 15,40 horas.

    ResponderExcluir
  5. E seu o candidato for um ateu que fuma maconha e é a favor do aborto e é gay???? kkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  6. Esses dados mostram como a humanidade ainda é imatura e atrasada.
    Vejam esse detalhe da pesquisa:
    O índice de rejeição a ateus cresce com a idade: de 74% entre pessoas de 15 a 24 anos até 89% entre pessoas com mais de 60 anos. A rejeição a outros grupos segue o mesmo padrão.

    O índice de rejeição a ateus cai com a instrução: de 87% a quem cursou até 4a série para 62% para quem tem curso superior ou mais. A rejeição a outros grupos segue o mesmo padrão.

    Isso mostra que quanto mais velho o individuo fica, mais medroso e propenso a salvação ele fica, ou seja, sua falta de conhecimento da natureza, do mundo e da vida leva-o a envelhecer com medo do desconhecido. O camarada fica se borrando de medo de ir para o inferno. Esses seriam adultos idiotas, pois viveram e envelheceram e não aprenderam nada com a vida.

    O outro dado é sobre a escolaridade.
    Como é que uma população de analfabetos funcionais pode saber e entender conceitos científicos sobre o mundo e a vida, se mal sabe se comunicar adequadamente? O mundo físico que está a sua frente não é entendido, mas um mundo de fantasias inventado pelos antigos e vendido pela igreja é visto e entendido como se fosse verdadeiro, mesmo nunca sendo comprovado sua existência. A pesquisa é bem clara, quanto mais instruído é o individuo, mais consciente e conhecedor ele é.
    E quanto mais ignorante dos fatos, mais ele é ingenuo e manipulável.
    Essa é a cara do Brasil e do restante do planeta.
    Somente quando estivermos mais evoluídos, mais racionais e menos propensos a fantasias, é que poderemos nos considerar seres inteligentes, ate lá seremos aprendizes e sofreremos com a maioria alienada e burra.

    ResponderExcluir